Exposição “Bicho de corpo mole mas de pele boa” – Genivaldo Amorim

Bicho de corpo mole mas de pele boa – Genivaldo Amorim

A instalação “bicho de corpo mole, mas de pele boa” reúne diversos objetos feitos de tecido vermelhoque se encontram suspensos numa sala. A obra, que começou com apenas três peças em 2007, numa exposição coletiva em Vinhedo SP, retornou em 2015 na NationalArtGallery na Namíbia com mais unidades.

O corpo, que atravessa grande parte da produção de Genivaldo Amorim, se manifesta nas mais diversas linguagens como desenho, pintura, escultura e instalação. Em “bicho de corpo mole, mas de pele boa”, o corpo atinge a camada da pele, das suas utilidades, das suas formas e visualidades e que através da pele vermelha, sugere as infinitas camadas significativas da cor: sangue? Amor? Violência?

Para além das camadas do significado, a pele do bicho se presentifica diante de um incômodo ético do artista com o universo da arte. Ao final de cada exposição, as peles vermelhas feitas de tecido, são reconstruídas em objetos e roupas para o uso cotidiano na tentativa de torná-la mais acessível ao público.Fugindo de um utilitarismo, a pele boa ganha um ressignificado que faz o objeto artístico circular fora de seu circuito estabelecido e fechado da arte, rompendo com o espaço expositivo e com a dicotomia expectador-objeto. Se o corpo do bicho era mole, agora com a pele boa ela se sustenta.

Texto de Allan Yzumizawa,

formado em Artes Visuais pela Universidade de Campinas (Unicamp),

curador independente e produtor cultural.

 

 

 

Anúncios